profissão e carreira

Certificados de análise: importância e principais termos empregados

Cleber Barros
Escrito por Cleber Barros em 19 de agosto de 2021
4 min de leitura
JUNTE-SE A MILHARES DE OUTROS PROFISSIONAIS

Entre para a minha lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Aprenda sobre a importância do certificado de análise de ingredientes e produtos acabados e conheça a definição dos principais termos e testes empregados nesse material.

Tanto os ingredientes cosméticos quanto os produtos acabados precisam possuir certificado de análise para que possam ser comercializados de forma segura e correta.
O certificado de análise é um documento que comprova que diversos testes foram realizados para assegurar que o ingrediente ou produto em questão está de acordo com parâmetros pré-estabelecidos que garantem que as suas propriedades e características esperadas estão preservadas (ou seja, que não houve nenhum tipo de degradação ou contaminação).[1] 
Logo, ao adquirir uma nova matéria-prima é importante que você peça ao fornecedor o certificado de análise do produto. 

Ao analisar esse tipo de documento, é comum se deparar com diversos termos e expressões utilizados que não são facilmente entendidos, principalmente se o profissional estiver começando com esse tipo de análise. Exemplos são: teor de cinzas, valor de peróxidos, índice de iodo entre outros. 
De fato, os significados de muitos desses termos e expressões não são nada óbvios e demandam uma breve orientação para que sejam perfeitamente compreendidos. Por isso, no artigo de hoje, vou “traduzir” diversos termos e expressões empregados nos certificados de análise, explicando o que cada um significa. 

Os principais são:

Teor de cinzas (ash content)

O teor de cinzas indica a quantidade de minerais inorgânicos presente nas amostras. Portanto, quanto maior o percentual do teor de cinzas, maior a quantidade de componentes inorgânicos da amostra.[2]

Para determinar o teor de cinzas, a amostra é carbonizada e as cinzas restantes são expressas em porcentagem do peso inicial da amostra. 
Isso quer dizer que as chamadas “cinzas” são o resíduo inorgânico que resta após a queima de uma matéria orgânica.[3]

Muitos minerais são convertidos a óxidos, sulfatos, fosfatos, cloretos ou silicatos, portanto, saber o teor de cinzas é importante quando se trabalha com ingredientes que podem ser sensíveis a sais de metais.[1] 

Índice de iodo (iodine value)

O índice de iodo é uma característica presente em óleos e gorduras.
Tal índice é relativo à massa de iodo, em gramas, que pode ser absorvida por 100g de uma determinada substância. 
Este parâmetro é geralmente utilizado para expressar o grau de insaturação dos óleos (ou seja, o número de ligações duplas carbono-carbono), o que reflete diretamente na sua susceptibilidade à oxidação.[4] 
Quanto maior o grau de insaturação, mais iodo é absorvido. Portanto, quanto maior o índice de iodo, maior o grau de insaturação.[4]

Com isso, pode-se concluir que, quanto maior o índice de iodo, mais susceptível à oxidação são os óleos e gorduras, e, portanto, mais cuidados você deve ter com a fase oleosa da formulação.[1] 

Índice de peróxido (peroxide value)

O índice de peróxido é um indicador da extensão da oxidação de lipídios, gorduras e óleos. Ou seja, é uma forma comum de detectar o processo de rancificação de óleos e gorduras. Tal parâmetro é expresso em miliequivalentes de peróxido de oxigênio por kg de gordura (mEq/kg|).

A auto-oxidação é a reação espontânea do oxigênio atmosférico com lipídios, o que leva à deterioração oxidativa. A presença do peróxido de oxigênio em gorduras animais e vegetais é um indicativo de que, nestes materiais, ocorreu a auto-oxidação. Ácidos graxos insaturados, seja como ácidos graxos livres, trigliceróis, ou fosfolipídios, são suscetíveis a tais reações. 

Fatores como temperatura, luz, enzimas e íons metálicos podem gerar instabilidade nas insaturações dos ácidos graxos, induzindo assim, a formação de radicais livres. Quando em contato com oxigênio, os radicais livres formam compostos chamados hidroperóxidos. Os hidroperóxidos dão origem a dois outros radicais livres, que também entrarão em contato com outras moléculas e formarão mais radicais livres. Ou seja, quando iniciado, este é um processo de propagação crescente. 

Ao se romperem, as novas moléculas formadas (que contêm o radical livre) dão origem a produtos de peso molecular mais baixo (como aldeídos, cetonas, álcoois e ésteres). Por serem voláteis, esses componentes são os responsáveis pelos aromas e sabores desagradáveis. Normalmente, a formação de odores indica que o processo de oxidação está em sua fase final. Dessa forma, um valor baixo do índice de peróxido deve coincidir com altas concentrações de produtos secundários (aldeídos, cetonas, álcoois e ésteres). Isso acontece porque o índice de peróxido é apenas uma medida da extensão da oxidação durante o processo de oxidação, pois quando o processo está próximo da sua finalização, tal valor começa a diminuir. Portanto, o índice de peróxidos deve ser sempre levado em consideração em conjunto com outras propriedades, tais como odor e estabilidade oxidativa.[5] [6]

Índice de hidroxilas (hydroxyl value) 

O índice de hidroxila é expresso em miligramas de hidróxido de potássio (mg KOH/g), e diz respeito à quantidade de hidróxido de potássio em relação a um grama de amostra do material analisado. Em resumo, este parâmetro mede o número de grupos hidroxilas livres na amostra.[6] 

Este valor pode ser utilizado para auxiliar na caracterização de um determinado material, mas é particularmente importante para a análise de derivados, como álcoois graxos etoxilados e poliglicóis. 
Tal parâmetro promove uma indicação do grau de etoxilação ou polimerização e se o glicol foi ou não esterificado. O valor de hidroxilas pode também ser utilizado como um guia para a quantidade de esterificação presente.[6]

O índice de hidroxila é expresso em miligramas de hidróxido de potássio (mg KOH/g), e diz respeito à quantidade de hidróxido de potássio em relação a um grama de amostra do material analisado. Em resumo, este parâmetro mede o número de grupos hidroxilas livres na amostra.

Índice de ácidos (acid value)

O índice de ácidos é definido como o número, em miligramas, de hidróxido de potássio necessário para neutralizar 1g de amostra. Portanto, este valor indica a quantidade de ácidos graxos total da amostra.[6] 

Tal parâmetro pode variar em um intervalo considerável, dependendo da qualidade do material analisado. Atualmente, tem se prestado mais atenção ao tipo de ácidos graxos presentes na amostra, e existem diferentes métodos para a avaliação de sua identificação. Isso é importante pois a presença de ácidos graxos de cadeia curta geralmente indica que ocorreu a oxidação da amostra.[6]

Penetração (penetration) 

Os testes de penetração consistem em pressionar uma agulha em uma amostra sólida ou semi-sólida, com peso determinado. A distância que a agulha alcança ao atravessar o material indica a dureza do mesmo.[6]

Essas propriedades são importantes quando se utiliza ceras para estabilizar emulsões água em óleo, ou para controlar propriedades de dureza de batons.[1]

Todos os parâmetros abordados pelos certificados de análise são de extrema importância para a caracterização de parâmetros acerca da qualidade e propriedades físicas e químicas das matérias-primas utilizadas em cosméticos. 
Espero que após a leitura deste artigo, os termos e expressões empregados nestes certificados tenham sido esclarecidos, e que isso possa te ajudar na sua vida profissional.

Você gostou desse artigo?

Espero que sim e adoraria saber sua opinião! Deixe seu comentário abaixo sobre o que você mais gostou.

O objetivo deste artigo é contribuir para a elevação do nível técnico de profissionais interessados na área. Para qualquer orientação mais aprofundada procure sempre um profissional apto e com experiência no assunto.

Referências
[1] Dobos K. [COA Savvy] Chemists Corner. 
[2] Omenka, S. S., Adeyi, A. A. [Heavy metal content of selected personal care products (PCPs) available in Ibadan, Nigeria and their toxic effects] Toxicology Reports Volume 3, 2016, Pages 628-635. 
[3] Gois G. C., Lima C. A. B., Silva L. T., Rodrigues A. E. [COMPOSIÇÃO DO MEL DE APIS MELLIFERA: REQUISITOS DE QUALIDADE] Acta Veterinaria Brasilica, v.7, n.2, p.137-147, 2013
[4] Odoom, W., Edusei, V. O. [Evaluation of Saponification value, Iodine value and Insoluble impurities in Coconut Oils from Jomoro District in the Western Region of Ghana] Asian Journal of Agriculture and Food Sciences (ISSN: 2321 – 1571) Volume 03 – Issue 05, October 2015. 
[5] Doğru B. [Determination of Peroxide Values of Some Fixed Oils by Using the mFOX Method] Spectroscopy Letters, 45:359–363, 2012. 
[6] Knowlton J.L., Pearce S.E.M. [Handbook of Cosmetic Science & Technology] 
[7] Sun J. Z., Erickson M. C., Parr J. W. [Refractive Index Matching: Principles and Cosmetic Applications] Cosmetics and Toiletries, June 24, 2009.

Olá,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.